imagem

 

 

 

     

 

 

 

JESUS, E O PODER DA COMUNICAÇÃO – PARTE I

 

Conheço pessoalmente alguns dos maiores empresários e executivos de nosso país. Um ponto em comum a quase todos eles reside na sua grande capacidade de comunicação, de saber vender ideias e, também, de ouvir às pessoas. Por igual, tenho visto essas mesmas características em bons gerentes, supervisores e pessoal técnico. É de admirar como essas pessoas conseguem obter resultados incomuns de pessoas comuns, muitas vezes simples-mente dando ênfase em alguns aspectos da comunicação.

 

Peter Drucker, o papa da administração moderna, afirmava que 60% dos problemas administrativos das empresas são frutos da má comunicação.

 

Como todo grande empreendedor e líder, Cristo fazia da comunicação um de seus pontos mais fortes. Comunicação ampla, em todos os sentidos, porque ele não apenas comunicava-se com as massas, como também com seus discípulos e, sobretudo, com Deus, fonte de toda sua sustentação e poder.

Jesus comunicava-se exemplarmente no três níveis: intrapessoal (consigo mesmo), interpessoal (com as pessoas) e suprapessoal (com Deus).

 

1) Comunicação Intrapessoal: Consciência plena de sua missão

No aspecto intrapessoal, Cristo tinha total consciência de sua missão na Terra. “Eu vim para que tenham vida e a tenham com abundância”. João 10.10b

 

A vida a que ele se refere é a capacidade de restaurar e revivificar o corpo, mente e espírito do ser humano e torná-lo consciente de sua verdadeira natureza: um ser criado a imagem e semelhança de Deus (Gênesis 1.27).

As pessoas de sua época encontravam-se narcotizadas e hipnotizadas pelas aparências do mundo físico (como ainda  hoje) e ignoravam as suas verdadeiras origens. Para trazer vida a alguém é necessário, primeiramente, ter vida para dar, o que se consegue somente pelo autoconhecimento e pelo conhecimento de sua missão.

 

Cristo tinha plena consciência dessa missão, conforme evidencia esta passagem, ao ler na sinagoga, perante os ministros, a seguinte passagem do livro de Isaías: “O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me a curar os quebrantados do coração, a apregoar liberdade aos cativos, a dar vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor.” Lucas 4.18 e 19. Na continuação Jesus afirma: “Hoje se cumpriu esta Escritura”. Lucas 4.21

Ele estava perfeitamente alinhado com a sua missão e não tinha conflitos pessoais a respeito. O ego, fonte de tantos desatinos e descaminhos, na pessoa de Cristo, estava sob total domínio do espírito que vivifica.

 

2) Comunicação Interpessoal: Diálogo e Interação com a multidão

Entende-se por comunicação interpessoal a capacidade de comunicar-se, de dialogar e de entender aos outros, bem como a de fazer-se compreender. Jesus foi mestre consumado neste quesito. Sabia o que interessava às pessoas, do que elas necessitavam e como transmitir-lhes as mensagens.

Como repassar conhecimentos, verdades espirituais e conceitos de difícil compreensão em uma época onde as pessoas ignoravam e eram  alheias a respeito de suas origens e heranças espirituais?

 

Cristo, como ninguém, até hoje, encontrou a resposta a essas questões, utilizando um instrumento simples, mas muito eficaz: a parábola. Desse modo  conceitos da mais  elevada

estatura espiritual,  eram transmitidos de maneira tão simples que até mesmo uma criança seria capaz de entendê-los. “E com muitas parábolas lhes dirigia a palavra, segundo o que podiam compreender.” Marcos 4.33                                                    

                                                                                                                                                   

“Outrossim, o Reino dos céus é semelhante ao homem negociante que busca boas pérolas; e encontrando uma pérola de grande valor, foi, vendeu tudo quanto tinha e comprou-a.” Mateus 13.45. Um verdadeiro empreendedor empenha tudo o que tem para adquirir o que tem valor. Os grandes empresários (me refiro aos éticos e honestos), conhecem bem essa situação. Pagam o preço por algo que vale a pena. É por isso que são bem-sucedidos também em outras áreas de suas vidas.

 

No plano espiritual dá-se o mesmo. O Reino dos céus é o Reino de Deus, a pérola de grande valor é a verdade espiritual que liberta e dá poder a quem se coloca sob a guarda desse reino (Deus), desde que venda tudo o que tem em troca da pérola, isto é, desde que se livre de suas limitações, seu egoísmo e suas fraquezas. Não é uma troca justa? Só que a maioria prefere não fazer essa permuta, esse “negócio da China”,  e escolhe continuar com os seus bem nutridos egos, em vez de adquirir a pérola de grande valor.

 

Contudo, não só por parábolas, mas também através de perguntas socráticas Jesus revelava sua sabedoria: “Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?” Mateus 16.26.

Pergunta bem incomodativa, não é? Jesus coloca a resposta no âmago de cada um e, com isso, provoca um autoexame de sua conduta no mundo. Ele sabia que através de perguntas ele estaria forçando o interlocutor a pensar numa resposta e procurar uma solução para a indagação.

 

Nos meus tempos de gerente do Serpro, em Brasília, conheci Rodolfo Rocha, um simpático e competente consultor de empresas de São Paulo, que revelava muita habilidade para encontrar soluções. E a forma pela qual ele achava as soluções era através de “boas perguntas”, dizia ele. “Se você fizer as perguntas certas, as respostas aos problemas surgirão automaticamente”, costumava afirmar. “O negócio é fazer boas perguntas”, arrematava.

Boas perguntas, pensava eu, boas perguntas. Nunca imaginei como, mais tarde, seriam tão importantes quando, anos depois, enveredei pelo caminho da consultoria organizacional. Foram as tais “boas perguntas” que me ajudaram decisivamente a encontrar soluções para muitos problemas e situações intrincadas, e aparentemente insolúveis, nas inúmeras empresas onde prestei consultoria.

 

O Messias sabia fazer boas perguntas e as utilizava freqüentemente. 

Outra pergunta socrática de Jesus, agora ao seu discípulo Felipe, diante da multidão no deserto que veio para ouvi-lo e estava esfomeada: “Onde compraremos pão, para estes comerem?”  João 6.5b.

Ele sabia que naquele lugar desabitado não haveria como adquirir comida. A pergunta foi feita para espicaçar. Jesus instigava seus discípulos para testá-los.

“Que resposta me darão?”, deve ter pensado. “Será que eles entenderam o motivo da pergunta e quem eu sou? Pois se não souberem como poderão levar a minha  mensagem adiante, no futuro? De que forma se comunicarão com as pessoas se permanecer o vácuo da ignorância em suas almas?”

Cristo mesmo respondeu à sua pergunta realizando o milagre da multiplicação dos pães e peixes.

                                                                                                                                              

Sermão da Montanha – Condutas práticas para o dia a dia.

O Sermão da Montanha representa o ápice da comunicação de Jesus com o seu público-alvo, as massas sedentas de salvação, consolo, proteção e orientação.

 

“Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus” Mateus 5.3

Bem-aventurado é uma tradução do grego “makarios”, que significa “supremamente abençoado”. Os pobres de espírito são aqueles que reconhecem sua pobreza espiritual e  deixando de lado toda autodependência e autodepreciação, colocam na graça e no poder de Deus a sua confiança. Logo, o significado de Mateus 5.3 é: “Supremamente abençoados são os que reconhecendo sua indigência espiritual, colocam-se sob a força de Deus.”

 

“Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados”.Mateus 5.4

Os que choram não são as pessoas consternadas, mas os que se arrependem pelos erros cometidos, pelas “pisadas na bola”, e estão dispostos a redimir-se. Porque serão consolados, é o alívio do peso da culpa, porque agora estão perdoados por Deus

.

“Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra.” Mateus 5.5

Mansos não tem a conotação de fraqueza, porém de força sob controle. A palavra significa aqui autodisciplina e humildade. Herdarão a terra, significa que essas pessoas serão reconhecidas, respeitadas e terão influência por onde andarem na terra.

 

E o Sermão da Montanha prossegue ao longo de três capítulos (Mateus 5 a 7) revelando verdadeiras jóias espirituais, além de regras de conduta no dia a dia das pessoas. Não são meras teorias, ou idéias de cunho filosófico que se perdem no ar. Trata-se de orientações

concretas e palpáveis destinadas ao nosso cotidiano, ditos pelo ser iluminado.

 

“E aconteceu que, concluindo Jesus este discurso, a multidão se admirou da sua doutrina, porquanto os ensinava com autoridade e não como os escribas.” Mateus 7.28 e 29.

 

Interesse Pelas Pessoas

“Queres ficar são?” pergunta Jesus a um enfermo. Em seguida pronuncia: “Levanta-te, toma a tua cama e anda. Logo aquele homem ficou são.” João 5. 8 e 9.

 

Cristo dirigia-se às pessoas, perguntava e comunicava-se constantemente com elas. Ele queria saber o que elas desejavam, atributos não apenas de um bom comunicador, mas também de um grande líder, que se disponibiliza em auxiliar e servir aos que o cercam.

Em outro momento dois cegos, à beira da estrada por onde ele passava bradaram em alta voz: “Senhor , Filho de Davi, tem misericórdia de nós”. “Que quereis que vos faça?” perguntou Jesus. Respondendo que queriam ver, Cristo tocou-lhes nos olhos, e logo viram.

Mateus 20. 29 a 34.

 

Que quereis que vos faça? Quantos são os que se disponibilizam dessa forma? Já pensou quantas vezes Jesus tem perguntado às pessoas, “o que vocês querem que eu faça por vocês”, mas poucos  lhe respondem, porque estão muito ocupados em seus afazeres diários? Com isso a benção passa sem mesmo terem se apercebido de sua existência.

 

E ainda dizem que estamos na era da comunicação. Estamos, na realidade, na era dos

meios de comunicação (televisão, internet, celular etc.), mas não na era da comunicação

entre as  pessoas, pois elas continuam tão isoladas, ou até mais, do que antes, porque

vive-se o clima da incomunicabilidade. Chega-se ao paradoxo de se conviver sem se

comunicar; estar junto                                                                                                                                               estarjunto sem fazer companhia; há presença física e  ausência de comunicação; as pessoas estão 

totalmente envolvidas nas redes sociais e incapazes de dialogar com seus parentes e

familiares que estão na sala ao lado. Não é

de estranhar, portanto, que a falta  de comunicação seja o mal o século XXI.

 

Cristo está aí, ao seu lado para conversar com você. Você tem falado com ele diariamente?

Tem ouvido seus conselhos? Ou pratica o  jogo do eterno atarefado, alheio e surdo, ocupado

demais em ganhar o “leite das crianças?”

O que a maioria esquece é que são conselhos de qualidade, vindo de quem entende – Jesus-

cujas práticas diárias nos fazem sair do círculo vicioso das correrias desenfreadas, e nos

colocam no círculo virtuoso do amor, da paz, da vitória e do sucesso, em todas as  áreas

da vida,porque quebram a cadeia de preocupações e do insucesso e nos colocam no

caminho das melhores práticas espirituais e comportamentais.

 

Trecho extraído do livro O Maior Empreendedor do Mundo, de Ernesto Berg.

Reprodução autorizada desde que citada a autoria e a fonte.

 

PARA LER A PARTE II DO ARTIGO JESUS, E O PODER DA COMUNICAÇÃO CLIQUE AQUI

 

PARA LER A PARTE III DO ARTIGO JESUS, E O PODER DA COMUNICAÇÃO CLIQUE AQUI

 

 

 

 

 

 

a

 

 

imagem

 

 

imagem

 

imagem

 

imagem

 

imagem

 

imagem

 

imagem

 

imagem

 

imagem

 

imagem

imagem